ASSOCIE-SE
NOTÍCIA
Cinco cuidados essenciais para o paciente com Alzheimer
Publicado em: 20/02/2019

O Alzheimer (DA) é uma doença degenerativa do sistema nervoso que causa alterações progressivas da memória, do comportamento e da funcionalidade. É considerada uma enfermidade relacionada ao envelhecimento. Embora também esteja associada a fatores de risco como hipertensão arterial, diabetes, aumento dos níveis sanguíneos de colesterol, estilo de vida sedentário, obesidade, baixa escolaridade e até mesmo isolamento social e sintomas depressivos.

 

Ainda, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a DA também é responsável por 60% a 70% dos casos de pacientes com demência. No mundo, estima-se que 50 milhões de pessoas sofram desse mal. E, a cada ano, cerca de 10 milhões de novos casos são registrados.  

 

No Brasil, o Alzheimer impacta a vida de, aproximadamente, 1,2 milhão de pessoas. E a tendência é de que o cenário seja ainda mais desafiador. Isso porque, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população idosa no país deve triplicar até 2050, acarretando o aumento de casos da doença.

 

E apesar de ser uma condição associada ao envelhecimento, segundo a OMS, em cerca de 9% dos casos o aparecimento de sintomas ocorre antes dos 65 anos de idade.

 

Mesmo não tendo cura, ao associar o tratamento adequado a cuidados especiais é possível melhorar a qualidade de vida não apenas do paciente, mas também do cuidador. A manutenção das atividades mentais e físicas, associadas a um propósito de vida, são fundamentais.

 

Para ajudar a lidar com os desafios do paciente, o neurologista Rodrigo Schultz, relaciona cinco cuidados essenciais aos quais familiares e cuidadores precisam estar atentos.

 

    Estímulo para o cérebro

 

Montar quebra-cabeças, ver um álbum de fotografias ou ler um livro podem ser mais que meros passatempos para um paciente com Alzheimer. São exercícios que estimulam as funções cerebrais e auxiliam a treinar a linguagem, a memória e a fazer pequenas tarefas. As atividades podem ser feitas individualmente (em sessões de terapia, por exemplo) ou em grupo.

 

    Incentivar a atividade física

 

Devido à redução na mobilidade do paciente de Alzheimer, dificuldades para andar ou manter o equilíbrio programas individualizados de atividade física são benéficos para a funcionalidade de pessoas com DA leve a moderada. Além de prevenir dores e quedas, melhora a disposição e o humor.

 

    Medicação, tratamento adequado e orientação

 

Como dito acima, a doença de Alzheimer não tem cura. No entanto, se diagnosticada no início, o tratamento adequado retarda o avanço e ameniza os sintomas. O SUS disponibiliza várias terapias, incluindo a medicamentosa, e o médico deve indicar a mais adequada de acordo com cada paciente. Atualmente, já existem opções de tratamento de fácil administração que causam menos efeitos colaterais.

 

É importante consultar o especialista para tirar todas as dúvidas sobre a doença e qual a melhor opção de tratamento para cada caso.

 

    Mantendo o paciente seguro

 

As confusões mentais e lapsos de memória decorrentes do Alzheimer podem colocar a segurança do paciente em risco. Minimize os contratempos com medidas simples: informe vizinhos e amigos do estado do paciente para que, se necessário, eles o ajudem. Uma pulseira de identificação ou uma etiqueta na carteira podem resolver o problema caso o paciente venha a se perder.

 

    Alimentação para o paciente com Alzheimer

 

A nutrição adequada a cada paciente deve ser orientada por um especialista. Os idosos podem necessitar de uma maior oferta de proteínas: carnes brancas, como peixe e aves; carnes vermelhas magras; leite desnatado; carboidratos e reguladores, fontes de vitaminas e minerais (vegetais, frutas e legumes